sexta-feira, 17 de julho de 2009

Aquele Domingo

Naquele domingo estava sol.
Havia um encontro no parque. Um encontro para o qual cheguei cedo.
Esperei, esperei durante muito tempo. Já estava cansado de esperar.
Mas eles chegaram. Chegaram antes de você, me cumprimentaram, se relacionaram.
Me conheceram.
Até que você apareceu.

No começo nem te percebi. Olhei de longe e vi apenas mais um de óculos escuros entre a multidão.
E foi naquele momento, naquele em que tirou os óculos que te vi.
Seus olhos...
Seus olhos falaram comigo, me atraíram, me cantaram. Seus olhos me convidaram a te conhecer.
Seu olhar adocicadamente forte me marcou. Quis ter aquele olhar posto em mim, quis ser a visão de sua janela.
Desejei, desejei sobrepujá-lo.
E por um breve momento descansei do tempo.

Mas ele voltou e voltou rápido.
Quando dei por mim, estávamos numa roda bebendo, jogando, brincando.
Me perdi e subitamente me encontrou.
Perguntou-me sobre a comida que trouxera.
Novamente me perdi. Me perdi das palavras, da racionalidade.
Quando consegui retornar, respondi aquilo que não queria ouvir.
E de repente seu olhar mudou. Sentiu-se enojado, decepcionado.
Logo me preocupei e o peso da responsabilidade veio a minha porta.
Quis ajudar, mas não sabia como. Quis acolher, mas não sabia como. E apenas tentei demonstrar compaixão e preocupação.
Você notou e seu olhar mudou outra vez.
Agora não estava apenas forte, estava intenso.
Uma intensidade com a qual não soube lidar.

Me afastei, você investiu.
Me recolhi, você me envolveu.
Quis fugir e você me segurou pela mão.
Foi então que te dei uma sentença. Não estava pronto. Os outros ainda estavam aqui.
Não se importou.
Me olhou certo e seguro.
Agarrou minha mão com mais alento e me conduziu para outro lugar.

Esse lugar era diferente. Diferente daqueles que tinha estado.
Não sabia o que fazer nem como reagir. Você me mostrou, me ensinou.
Tive receio, quase desisti.
Mas seu olhar me declarou confiança, suas palavras me fitaram com sinceridade, seu cheiro me tocou com segurança.
Dessa vez, não me agarrou. Fui eu quem pegou em sua mão e não quis soltar.

E nesse lugar nos conhecemos.
Nesse lugar nos sentimos.
Nesse lugar nos apaixonamos.
Nesse lugar nos amamos.

É... Era domingo. Estava sol naquele domingo...

2 comentários:

  1. Paixão , aiaiaiai a paixão, ela vem devagarinho, vai chegando no sussurro, quando vc percebe já esta envolvido, e querendo aquele amor por uma vida inteira....eu sei como vc se sente apesar de eu não estar apaixonada, mas eu te desejo á vc e a seu amor, uma vida repleta de encantamentos, de paixões e mais do que isso de amor, porque é o amor que faz das pessoas um alguem melhor....
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Wooow..tô adorando ler as tuas postagens!!Sempre é bom ler a primeira...linda...muito linda!!!

    PS:adoro os comentários da Daniela!

    ResponderExcluir